Estar na “zona” com GTD

“O ideal do modelo que aqui estou a propor incorpora um mistura adequada de perspectiva e estrutura, com a sua energia e foco direccionados por uma fonte interna em vez de externa. Este é o estado de flow, estar na zona, estar “lá”. Guia o seu navio pelas ondas, vento e água com leves toques no leme e os olhos no horizonte. Está firme no seu rumo e preparado para lhe fazer as correcções que possam ser necessárias.

Quando atinge este estado, não há sensação de sobrecarga, não há distinção entre pessoal e profissional, não há o dilema do equilíbrio vida/trabalho. Está num estado de ser, e pode simplesmente ser de uma forma activa e dinâmica. É possível ter esta experiência enquanto se está a construir um abrigo de jardim, brincar com o gato, simplesmente estar sentado a pensar, ou a trabalhar numa reunião desafiante com o seu chefe ou departamento.

Este estado não parece ser dependente do conteúdo ou substância daquilo que está a fazer, nem sequer se gosta daquilo que está a fazer. Isto não significa que consegue atingir este estado ao fazer qualquer coisa (era bom!); se pudesse, nunca sairia dele. Não, o segredo não está tanto naquilo que se está a fazer, mas de que forma se está envolvido a fazê-lo. E a melhor forma de estar envolvido é aprender a caminhar sobre a ténue linha que separa a forma e a função, visão e implementação, audácia e estrutura”.

traduzido e adaptado do livro “Making It All Work” – David Allen

About the Author: Nuno Donato

Formador GTD em Portugal. Apaixonado pela ciência do estudo da mente e do comportamento humano, tenta aprender e ensinar as melhores técnicas, ferramentas e estratégias para optimizar o nosso trabalho e maximizar a vida.

1 Comment

  1. Pingback: GTD para criativos? | Wise Action

Leave A Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *