Desafio PNL – Dia 5 “Ter objectivos irresistíveis”

(Este artigo é parte de um Desafio de 7 Dias com PNL. Caso tenha chegado aqui directamente, sugerimos que comece pelo início)

Na área da PNL costuma-se dizer que quando temos apenas um comportamento ou escolha, face a uma certa situação, estamos condicionados como um robot. Se tivermos duas opções, estamos num dilema. Só a partir das 3 opções é que existe verdadeiramente “escolha”.

Até agora os exercícios foram bastante estruturados e as indicações claras. A partir de hoje, vai ser tudo um pouco mais livre. Não existem duas mentes iguais. Cada pessoa desenvolveu, ao longo dos anos, os seus próprios mecanismos e processos de representar experiências internamente. Por isso, as indicações que damos neste exercício de hoje são para ser vistas como guias ou sugestões sobre a forma como o pode fazer. Esteja à vontade para experimentar e explorar para além do que aqui está escrito. Isso vai certamente ajudar na descoberta de mais opções, mais possibilidades.


Somos puxados por aquilo que achamos atractivo. Preenche a nossa atenção e direcciona as nossas acções. Agora que já transformou os seus sonhos e desejos em objectivos alcançáveis, vai transformá-los de forma a que sejam tão apelativos que irá naturalmente sentir-se atraído por eles.

Amores platónicos e sonhos utópicos podem ser transformados em algo muito atractivo, mas não vai ter grande resultado. O objectivo desta tecnologia não é esse. O exercício de hoje só deve ser feito para os objectivos que já tenham passado pelo exercício anterior, isto é, que cumpram as 4 condições para uma boa definição de objectivos.

Escolha um dos seus objectivos com maior importância e comece a imaginá-lo dentro da sua mente. Veja-se a si próprio numa altura em que já o atingiu. Pode estar a imaginar esta situação futura como um filme ou apenas como uma imagem parada. Se no seu caso apenas vir uma imagem, transforme-a num filme, numa sequência de acções, eventos, diálogos, etc. Tome a liberdade de ser realizador por uns minutos, trabalhe no seu guião e componha um bom filme.

Repare no tamanho e no brilho da imagem quando a visualiza mentalmente. Experimente, tal como se fosse a mexer numa televisão, ajustar o tamanho da imagem, o contraste, o brilho das cores e de que forma isso a torna mais ou menos apelativa para si. Faça-o repetidamente até chegar a um ponto ideal em que a imagem está mesmo como a gostaria de ver.

Mantendo o seu filme e já com nova qualidade de imagem, vamos acrescentar-lhe mais riqueza. Escolha sons ou uma música que encaixariam na perfeição como banda sonora. Talvez seja calma e inspiradora, ou energética e motivadora. Mais uma vez, experimente e veja aquilo que funciona. Quando encontrar a música ideal, experimente aumentar o volume. Ponha a música em stereo, ou mesmo a vir de todos os lados! Não se esqueça das vozes, quer de outros, quer a sua própria voz interna. O que lhe dizem? O que está a dizer a si próprio nessa situação? Com que tom é que o fazem? Oiça vozes que apoiam o seu objectivo, que são encorajadoras, confiantes, animadas com o seu novo futuro.

Faça a visualização do seu filme completo as vezes que quiser, até o interiorizar. Note também as sensações físicas positivas que lhe vão trazer, e aumente-as!

Quando estiver satisfeito com o produto final, continue um a um com o resto da lista.

Até amanhã! 🙂

About the Author: Nuno Donato

Formador GTD em Portugal. Apaixonado pela ciência do estudo da mente e do comportamento humano, tenta aprender e ensinar as melhores técnicas, ferramentas e estratégias para optimizar o nosso trabalho e maximizar a vida.

Leave A Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *